Preso em Afogados acusado de conexão com facção criminosa.

Em Afogados da Ingazeira, foi preso Roberto Almeida, comerciante, idade não informada, no Bairro São Sebastião. A ação aconteceu às 5h da manhã. Com ele a PF apreendeu uma caminhonete Toro roubada e clonada.

Ação da PF aconteceu ainda em outras cidades

A Polícia Federal em Pernambuco com apoio da Polícia Militar deflagrou na manhã desta quarta-feira (2) a Operação Ipanema, com base em Garanhuns, no Agreste de Pernambuco.

A ação tem o objetivo de desarticular uma organização criminosa que atua no tráfico de drogas, roubo de cargas, receptação e na prática de assaltos. Os líderes da organização são detentos que atualmente estão cumprindo penas em presídios de Pernambuco, sendo que dois deles integram uma facção criminosa de atuação nacional.

Em Afogados da Ingazeira, foi preso Roberto Almeida, comerciante, idade não informada, no Bairro São Sebastião. A ação aconteceu às 5h da manhã. Com ele a PF apreendeu uma caminhonete Toro roubada e clonada.

De acordo com a Polícia Federal, as investigações tiveram início no ano de 2018 pela Delegacia Regional de Combate ao Crime Organizado e foram executadas pelo Grupo de Repressão a Crimes Violentos (GRCV). Na operação estão sendo utilizados nove equipes de policiais federais, apoiadas por seis equipes da Polícia Militar de Pernambuco.

Conforme a PF, estão sendo cumpridos oito mandados de prisão preventiva e oito mandados de busca e apreensão que foram expedidos pela Vara Criminal de Águas Belas. Nas buscas os policiais tentaram localizar armas, drogas e documentos relativos a tráfico.

Dentre as prisões que estão sendo cumpridas seis são nas cidades de Garanhuns, Águas Belas e Afogados da Ingazeira, além de outros três nos presídios de Limoeiro, Salgueiro e Petrolina.

Os presos serão ouvidos nos respectivos batalhões da Polícia Militar e em seguida serão levados para fazer exame de corpo de delito no Instituto de Medicina Legal (IML) e depois levados para o Presídio de Garanhuns, onde ficarão à disposição da Justiça Estadual.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *